O que a Bíblia diz sobre retaliação?

O que a Bíblia diz sobre retaliação? Responder



Retaliar é retornar da mesma forma. Normalmente, falamos de retaliação em contextos negativos, então é quase exclusivamente um retorno do mal pelo mal. Alguém nos fere; nós o machucamos de volta. Se vingar é uma resposta natural ao ser injustiçado, mas Deus nos chama a viver acima de nossas respostas naturais. Ele demonstrou santidade por meio de Seu Filho Jesus Cristo, e Ele se oferece para nos capacitar por meio de Seu Espírito Santo para que possamos viver acima de nossos instintos egoístas. O caminho de Deus geralmente é oposto ao nosso, então a Bíblia tem muito a dizer sobre retaliação que contradiz tudo o que parece certo para nós (Isaías 55:9; 1 Coríntios 1:27-29).

A retaliação por danos causados ​​é a maneira do mundo de consertar as coisas. Mas o caminho de Deus é amontoar brasas em sua cabeça, recusando-se a se rebaixar ao nível do ofensor (Provérbios 25:22; Romanos 12:20). Quando retaliamos com mal por mal, juntamo-nos ao nosso ofensor em seu erro. Jesus nos disse para não retribuir o mal com o mal, mas para vencer o mal com o bem (Romanos 12:21; Mateus 5:39). Retaliação é quando tiramos as coisas das mãos de Deus e insistimos em consertar as coisas nós mesmos. No entanto, Deus disse, a vingança é minha; Eu retribuirei (Hebreus 10:30). Romanos 12:19 dá instruções claras sobre como os cristãos devem responder quando injustiçados: Não se vingue, meus queridos amigos, mas deixe espaço para a ira de Deus, pois está escrito: ‘É meu vingar; Eu retribuirei”, diz o Senhor.



Esses comandos contra retaliação são para indivíduos e não devem ser aplicados sem qualificação a nações ou autoridades. Quando tentamos usar as palavras de Jesus sobre amar os outros em questões de segurança nacional, elas desmoronam. Os seguidores de Jesus devem procurar praticar todos os princípios bíblicos em sua vida pessoal e familiar. Mas os governos devem operar por um padrão diferente. O governo foi instituído por Deus para o bem comum de um povo (Romanos 13:1-2). Há momentos em que uma nação deve retaliar para preservar sua liberdade e seu povo, como a resposta dos Estados Unidos ao bombardeio de Pearl Harbor pelo Japão em 1941. Uma nação recebe permissão de Deus para exercer força e retaliar outras nações em defesa de seus cidadãos (1 Samuel 15:2–3; 1 Samuel 30:1–2, 8, 17–18). Um estado também pode retaliar contra infratores da lei para o bem comum (Romanos 13:3).



Os mandamentos de Deus sempre se resumem às atitudes do coração (1 Samuel 16:7; Marcos 2:8). Ele emitiu comandos regulando comportamentos externos porque Ele conhece o mal interior que os motiva (Mateus 15:18-19). Um homem usando uma arma para se vingar de seu vizinho por não cortar sua grama está pecando porque a motivação é uma retaliação egoísta. No entanto, esse mesmo homem usando uma arma para proteger sua família de um intruso não está pecando porque sua motivação é a proteção dos inocentes, não a vingança.

Nosso trabalho como cristãos é perdoar, não retaliar (Lucas 6:27-31). Podemos estabelecer limites saudáveis ​​em relacionamentos destrutivos. Podemos nos proteger de mais danos e denunciar às autoridades alguém que infrinja a lei (Tiago 5:20). Mas a justiça do vigilante pessoal nunca é tolerada nas Escrituras. Dois erros não fazem um certo. Temos uma Autoridade Superior a quem nos reportamos, e Ele prometeu corrigir todos os erros cometidos contra Seus servos (Isaías 54:17). Os caminhos de Deus não são como os nossos, então o que a Bíblia diz sobre retaliação pode contradizer o que sentimos naturalmente (Isaías 55:9; 1 Coríntios 1:27-29).



Top